Skip to Content

Fisioterapia


Torcicolo como prevenirHoras em frente ao computador ou no trânsito podem gerar um desconforto bem incômodo: o torcicolo. O problema que trava o músculo do pescoço e limita os movimentos graças a dor vem sendo cada vez mais comum em grandes cidades, afirma o patologista neuromuscular Beny Schmidt. E, para não sofrer com isso, é essencial conhecer a origem e seguir algumas dicas para retomar a rotina sem dores.

Causas do torcicolo

É comum atribuir a dor no pescoço ao mal jeito na hora de dormir, porém, segundo o médico e chefe do Laboratório de Patologia Neuromuscular da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), ficar sentado traz mais impacto aos músculos do pescoço do que ficar deitado.

Por isso, longas horas nessa posição pode gerar uma violenta contratura dos músculos do pescoço, principalmente do trapézio e do externo cleidomastoidel. Existem dois tipos de torcicolo: adquirido ou congênito: o primeiro contraído durante uma fase da vida, enquanto o segundo pode ter se criado na fase gestacional.

Como evitar

“As pessoas deveriam andar mais a pé e procurar sempre praticar alongamentos/relaxamentos para o pescoço. Além disso, aqueles que trabalham carregando cargas, devem se atentar ao peso delas”, afirma o especialista. Pode ser uma boa mudar um pouco a rotina e dar preferência a fazer o caminho de casa a pé, se possível, e até mesmo trocar o elevador pela escada.

Como tratar

Medicamentos para relaxamento muscular ou mesmo o estímulo da região por meio de massagem, alongamento e fisioterapia podem ajudar. É preciso ficar atenta, pois se não for bem tratado o torcicolo pode desenvolver doenças mais graves, como, por exemplo, uma hérnia cervical, que requer repouso absoluto ou até mesmo uma cirurgia. Se a incidência for muito grande e o problema ressurgir com frequência, é preciso investigar, por meio de uma biópsia muscular, se não há doença neuromuscular concomitante.

Fonte: Bolsa de Mulher

A importância da fisioterapiaA cada dia a sociedade exige mais sucesso das pessoas, que muitas vezes não estão fisicamente preparadas. O que acarreta uma sobrecarga física, que se instala sobre o corpo, provocando alguns sintomas.
Daí a importância da fisioterapia, que propicia o desenvolvimento de ações preventivas primárias, secundárias e terciárias. “Essas ações visam à minimização de disfunções decorrentes de doenças crônico-degenerativas, prevenção de condições físicas e funcionais desfavoráveis e até de futuras possíveis lesões”, explica Camila Souza, fisioterapeuta do Programa BIA.

Área de atuação

A atuação da fisioterapia é ampla e a cada dia vem crescendo mais, atuando nas áreas preventiva e terapêutica e também na manutenção do quadro clínico, mesmo após a reabilitação.
O profissional fisioterapeuta se utiliza de métodos e técnicas que têm como finalidade restaurar, desenvolver e conservar a capacidade física do paciente, de acordo com cada caso em específico.
Vejamos algumas áreas de extrema importância de atuação de um fisioterapeuta e como o trabalho funciona:

Traumato-ortopédica

A fisioterapia atua nos casos onde há uma fratura ou uma patologia (óssea, muscular ou articular), prevenindo contra as sequelas e preparando a musculatura envolvida para o retorno às suas funções normais.
O profissional está preparado tanto para trabalhar no pré-operatório (antes da cirurgia), como no pós-operatório (após a cirurgia). E tem o objetivo de diminuir as dores e inflamações e reabilitar o indivíduo, para que retorne normalmente às suas atividades diárias.

Neurológica

Em casos de problemas neurológicos, a fisioterapia deve ser iniciada logo no primeiro momento. Ou seja: assim que o diagnostico for traçado e o quadro clínico do paciente estiver estabilizado.
Os exercícios são em caráter de manutenção e progressão das atividades diárias, e também de incentivo por meio de estímulos sensoriais. Tudo, é claro, de acordo com as limitações causadas pelo comprometimento neurológico do indivíduo”, alerta Camila Souza.

Respiratória

A fisioterapia pneumofuncional é realizada através de manobras que incentivam à eliminação de secreções e melhor mecânica respiratória, facilitando a respiração e fortalecendo a musculatura envolvida. São atributos do fisioterapeuta o uso de incentivadores inspiratórios e expiratórios, bem como a implementação de posturas adequadas a determinadas patologias.
“Normalmente, a reabilitação pulmonar promove uma melhora na qualidade de vida de pacientes que apresentam dificuldades para respirar, mesmo aos menores esforços”, completa a fisioterapeuta.

Cardiológica

Em pacientes com problemas cardiológicos, a fisioterapia é iniciada no período pré-operatório, num preparo cardiopulmonar, visando uma rápida recuperação do indivíduo após a cirurgia.
Em pacientes em estado grave ou potencialmente grave, os cuidados do fisioterapeuta começam ainda na unidade de terapia intensiva.

Saúde da Mulher

Algumas doenças que acometem as mulheres, como câncer de mama, incontinência urinária, fibromialgia, entre outras, merecem atenção especial por parte da fisioterapia. Pois, ela tem um importante papel na manutenção e prevenção de complicações, inclusive no pré e pós-operatório.

Fonte: ProgramaBia.com.br